Escolha o seu idioma

30 de janeiro de 2020

Cansaço


Estou num cansaço que me cansa.
Cansaço prolongado deste tempo de silêncio.
Silêncio que me inunda e acompanha num tempo perdido no tempo.
Tempo que me trás cansaço.
Cansaço de estar cansada.

29 de janeiro de 2020

Antes que o tempo acabe


Espreitas a medo pela porta da vida.
Disfarças-te para não mostrar as tuas fraquezas, os teus medos e angustias.
Vês por trás dos vidros o tempo passar, esperas que ele te liberte da dor, da saudade, da injustiça da tua própria vida.
Nostálgico e cabisbaixo sentes o mar a desabar pelos olhos, os pensamentos a passarem em tormentas doridas.
Espreitas a medo pela porta da vida com a esperança latente de finalmente a conseguires abrir, para que a luz entre, o sol te aqueça, os teus olhos sequem e o teu sorriso renasça.
Esperas, esperas apenas que os teus medos passem...

E eu? 
Eu espero apenas que os teus olhos sequem e o teu sorriso renasça.
Que renasça breve, antes que o tempo acabe.

20 de janeiro de 2020

Recomeços


O Sol de hoje já se esconde lá bem no fundo de um horizonte infinito.
Terminou mais um dia de vida, de emoções e de escolhas.
Já não  interessa se foi um dia bom, já não interessam os acontecimentos de hoje.
Interessa que chegou ao fim, que consegui ver o Sol lá longe a desaparecer e que agora fico na quietude da noite a aguardar pelo novo amanhã.
Amanhã? Amanhã terei novas escolhas, novas emoções, novos desafios...
Todos os dias há um recomeço e eu agradeço por ele!

19 de janeiro de 2020

Gerações


Somos nós, adultos, que seguramos a pequena mão das crianças dando protecção e segurança, enquanto recebemos o carinho que vem dela.
Os anos passam, as pequeninas mãos crescem e as grandes tornam-se enrugadas e trémulas.
Nessa altura,  só precisamos que as posições se invertam e possamos receber a segurança que demos durante toda a vida e que o mesmo carinho se funda e se propague pelas duas.
As pessoas e as gerações mudam, mas os sentimentos vivem eternamente nos nossos corações.
O carinho nasce, cresce e fica para sempre entrelaçado nas mãos e na vida.

17 de janeiro de 2020

Fantasiando


Pintamos a cara a  preto e branco ou com cores bem garridas.
Usamos as tintas para esconder a marca das lágrimas, o crispado das emoções ou a tristeza do olhar.
Pintamos a cara para fazer de conta que tudo está bem.
Fantasiados entramos no grande circo da vida como se tudo fosse irreal.
Na fantasia fazemos de conta que o tudo está bem.

13 de janeiro de 2020

Paradoxos


Paradoxos diários,  são quando, sem nada para fazer, oiço o silêncio e vejo o escuro.
Quando olho em frente e a luz aparece sem que a procure.
Quando o cheiro da vela se entranha e desaparece.
Quando o ar entra em mim e me deixa sem fôlego.
Quando a luz brilha tanto que a deixo de ver.
Quando só o coração bate e a calma me invade.
Os meus paradoxos são a minha tranquilidade e a minha paz.
E a paz é o caminho da felicidade.
Paradoxos...

11 de janeiro de 2020

Lua


Pode estar cheia, ser só metade, um quarto, um pedaço ou nem se ver.
Pode estar mais perto ou mais longe, escondida nas nuvens ou na névoa, ser brilhante ou mais pacata e até ter vários tons.
Gera crendices e superstições, é associada aos lobos e lobisomens.
Mas é poética e romântica.
É bom "andar na lua", ir de lua de mel, amar ao luar.
Amar ao luar...Sempre a lua e sempre o amor!

5 de janeiro de 2020

Utopia


Diariamente chegam-nos imagens de sofrimento, guerra ou fome captadas pelo mundo nas várias catástrofes que não param de acontecer.
O pensamento comum e o desejo constante é de podermos ter paz no mundo, calma no planeta e bom senso no Homem.
Uma utopia claro!
Enquanto a ganância, arrogância e orgulho se sobrepuserem ao amor, humildade e gratidão nada poderá mudar.

Espero que um dia a felicidade invada todos os seres vivos.

Sobre os netos


Os netos são uma bênção que os avós recebem quando as memórias dos filhos pequenos se começam a dissipar no tempo.
São um renascer, um recordar e um aproveitamento de todo o amor que ficou.
Os filhos crescem num piscar de olhos e já não querem colo, não querem mimos porque se acham uns crescidos e parece mal receber as lamechices dos pais. E eles ficam com amor por dar, afetos por distribuir.
Quando chegam os netos já o tempo é maior, a paciência redobrou e a vontade de viver é bem mais importante.
Os avós abraçam todos os netos por igual e a todos distribuem colo, atenção, carinho e afagos, porque ainda ficou muito amor para dar.
Amam os seus netos com intensidade antes que também eles cresçam.